Jornalistas lançam projetos inovadores para combater a desinformação eleitoral no Brasil

By: 08/11/2022

Novas ferramentas e estratégias de divulgação de conteúdos factuais à novas audiências. Conheça os produtos do ‘Jogo Limpo’

Equipes de jornalistas lançam novas ferramentas e recursos para ajudar os eleitores brasileiros a identificar a desinformação e fazer escolhas mais conscientes durante a campanha eleitoral de 2022 que começa este mês. Os projetos inovadores - desenvolvidos como parte da iniciativa Jogo Limpo - incluem desde um bot de checagem de fatos em vídeo e uma campanha de influenciadores até técnicas de gamificação para atingir os jovens.

Os jornalistas passaram três meses trabalhando com mentores especializados e receberam até US$ 25.000 para desenvolver cada um dos seis projetos. O International Center for Journalists (ICFJ) administra o Jogo Limpo, que é apoiado pelo YouTube Brasil.

“As equipes do Jogo Limpo desenvolveram formas inovadoras para ajudar os eleitores no Brasil a discernir o fato da ficção, o que é absolutamente crucial, dada a ameaça que a desinformação representa para eleições livres e justas”, disse Johanna Carrillo, vice-presidente de programas do ICFJ. “Não existe uma solução única, mas esses esforços combinados farão a diferença no Brasil e no mundo, uma vez que jornalistas da rede do ICFJ de outros países aprendem com as novas abordagens.”

O ICFJ realizou um painel no dia 11 de agosto com representantes de cada equipe do Jogo Limpo para discutir as próximas eleições e compartilhar detalhes sobre os projetos. A campanha eleitoral do Brasil para presidente, governadores, senadores e deputados federais e estaduais começa oficialmente em 16 de agosto. A eleição está marcada para 2 de outubro.

“O apoio do YouTube ao Programa Jogo Limpo é um exemplo do nosso compromisso em promover e incentivar a produção de conteúdos confiáveis e oferecê-los na plataforma. Os projetos selecionados  vão conectar  cidadãs e cidadãos a informações  apuradas e checadas de acordo com as boas práticas do jornalismo", afirma Malu Gonçalves, jornalista e head de Comunicação do YouTube Brasil.

Cada iniciativa do Jogo Limpo aborda a desinformação de uma perspectiva diferente. Dois deles são baseados em tecnologia, dois estão focados em alfabetização midiática e dois estão mobilizando parceiros e produzindo conteúdo para combater falsidades online. 

Automatizando Fact-Checking

O Núcleo Jornalismo, com sede em São Paulo, lançou o BotPonto, um bot que é capaz de ler transcrições de vídeos e permitir checagem de fatos para que  jornalistas encontrem facilmente conteúdos que possam estar errados ou enganosos. O BotPonto aponta o exato minuto em que uma possível falsidade é declarada em um vídeo do YouTube e reduzirá o tempo gasto pela mídia para avaliar as gravações online. 

Aos Fatos, do Rio de Janeiro, vai dar a 1.000 jornalistas acesso ao Escriba, a ferramenta de voz para texto que a organização desenvolveu para ser usada em debates políticos. O Escriba diminui o processo de checagem de fatos e está conectado a um banco de dados que permite que seus usuários busquem conteúdo de diferentes eventos.

Alcançando Jovens Eleitores

O Instituto Vero, sediado no Rio de Janeiro, lançou o "Fake dói", um programa de alfabetização midiática voltado para eleitores adolescentes. A iniciativa visa ensinar os jovens brasileiros a usar as Open Source Intelligence Tools (OSINT) para detectar facilmente conteúdo falso que se torna viral. O Vero utilizará técnicas de gamificação como forma de engajar esse público crescente (os brasileiros podem votar aos 16 anos, mas o voto é obrigatório apenas para aqueles de 18 a 70 anos).

O Reload Explica capitaneado pela Agência Pública tem como alvo o mesmo grupo demográfico. Preocupada com o desinteresse político dos adolescentes brasileiros, a ONG lança hoje um guia digital - feito de vídeos, infográficos e cartoons - focado em ensinar aos jovens como funciona a democracia. Apostando em um conteúdo explicativo bem feito, a Agência Pública quer chamar a atenção e fazer com que os adolescentes entendam o que está em jogo durante uma eleição.

Mobilização de Influenciadores e Parceiros

A Redes Cordiais, com sede em Brasília, reuniu um grupo de 30 influenciadores digitais para participarem de treinamentos ministrados pelo Tribunal Superior Eleitoral sobre como são contadas as cédulas, a tecnologia de votação e muito mais. Hoje, a iniciativa divulgará dados sobre o alcance e engajamento que esses influenciadores registraram até agora ao falar sobre urnas e processo de contagem de votos. A Redes Cordiais tem como objetivo manter o grupo de influenciadores – que pode atingir até 10 milhões de brasileiros – mobilizado durante a campanha.

Por fim, O Liberal, de Belém, anunciou oficialmente o Amazônia Check. A iniciativa combate a desinformação e o desconhecimento sobre a região amazônica. O projeto irá monitorar e checar as declarações dos candidatos à Presidência sobre a Amazônia, nas mais diferentes temáticas, como meio ambiente, biomas, população, índice de desenvolvimento humano, entre outras. Integrado ao projeto, O Liberal programou uma série de entrevistas com os candidatos para que os brasileiros conheçam as propostas e o conhecimento de cada um sobre a Amazônia. As entrevistas serão em "pool" com veículos de imprensa de todos os nove estados que compõem a Amazônia Legal e iniciam no dia 5 de Setembro, Dia da Amazônia. O conteúdo gerado pelo projeto Amazônia Check será também, replicado por uma forte rede de meios de comunicação locais.

Latest News

Tips for Reporting on Gun Violence

During a recent ICFJ Global Crisis Reporting Forum webinar entitled “Gun Violence and How to Report on It,” Abené Clayton, a lead reporter for The Guardian U.S. series, Guns and Lies, which looks at community gun violence in California, provided tools and guidance on how journalists can improve their coverage. 

Disinformation Targeting U.S. Latino Communities is Widespread. Here's Why.

Did Spanish-language mis- and disinformation about the virus, which circulated largely unchecked, contribute to the high incidence of COVID-19 infection in Latino communities? Did social media play a role? Latino communities tend to use platforms like YouTube, Facebook and WhatsApp to inform themselves more than the average U.S. population, as they often don’t trust or feel represented by traditional media. 

The reality is, we know less about mis- and disinformation targeting Latino communities in the U.S. than we would like to, and there is almost no research on its impacts.    

ICFJ and The Self-Investigation launch "Resilience" Mental Health Program for Arabic-Speaking Journalists


To adopt healthier work practices that can sustain journalists' well-being, ICFJ is launching a new resilience program for Arabic-speaking journalists under the auspices of the ICFJ Pamela Howard Forum on Global Crisis Reporting. The initiative aims to shed light on the importance of mental health and well-being for workers in the media industry and provide crucial resources in Arabic for journalists. It kicks off October 10 to mark World Mental Health Day and will run through the end of November. You can register for the first session here.